Search
Close this search box.

ArPa chega à 3ª edição com foco nas narrativas da arte

Redação Culturize-se

ArPA

Entre os dias 26 e 30 de junho, São Paulo será palco da terceira edição da ArPa Feira de Arte, um evento que promete transformar a Mercado Livre Arena Pacaembu em um epicentro de criatividade e inovação no mundo da arte contemporânea. Este ano, a feira apresenta uma série de novidades tanto em seu projeto expositivo quanto em seu corpo curatorial, reforçando seu compromisso com a promoção de novas perspectivas artísticas e com o aprofundamento das práticas de seus artistas.

ArPa 2023: o inebriante efeito da arte para colecionar

A ArPa, reconhecida por proporcionar uma experiência imersiva no universo das artes visuais, reúne galerias do Brasil e de diversos países, incluindo Argentina, Colômbia, Espanha, México, Noruega e Portugal. A feira não apenas facilita a criação de relações mais significativas e oportunidades comerciais, mas também estabelece um espaço para o desenvolvimento de desdobramentos institucionais importantes.

Curadorias inovadoras

Este ano, a ArPa está organizada em cinco setores distintos, cada um com uma abordagem única e inovadora. O Setor Base, com curadoria da jornalista cultural Ana Carolina Ralston, apresenta a exposição coletiva “Todo ser vivo é a Terra dos outros”. Inspirada na filosofia de Emanuele Coccia, a exposição convida os visitantes a refletirem sobre a interdependência entre as espécies e as relações cíclicas de transformação. O ciclo de conversas com renomados artistas como Beatriz Milhazes e Laura Vinci complementa a exposição, incentivando o diálogo e a troca de ideias sobre a relação entre corpo e meio ambiente.

No Setor UNI, Germano Dushá e Benedicta M. Badia colaboram para trazer estandes solo de artistas que exploram questões atuais através de diferentes meios. Galerias como Central Galeria e Instituto de Visión apresentam projetos inéditos que abordam o mistério da vida, misturando dimensões espirituais e pensamento especulativo.

O Setor Satélite, curado por Raphael Fonseca, foca na produção de arte audiovisual. A grande projeção de LED, acessível gratuitamente ao público, exibe obras que exploram noções de desejo em diversas formas. Galerias como Commonwealth and Council e Casa Triângulo participam com trabalhos de artistas como rafa esparza e assume vivid astro focus (AVAF), criando uma reflexão profunda sobre consumo, capitalismo e existência.

José Esparza Chong Cuy retorna para comandar o Arte em Campo, setor dedicado a esculturas e instalações de grande porte. A área pública da Arena exibirá obras de artistas como Alexandre da Cunha e Abraham Gonzalez Pacheco, além de uma performance de Igi Lola Ayedun. Este setor é uma oportunidade única para o público interagir com obras de grande escala em um espaço aberto.

Obra da Galeria Leonardo Leal | Fotos: Divulgação

Outros destaques

Entre as galerias participantes, a Millan se destaca com o projeto “Dois tempos”, que traz obras inéditas de Felipe Cohen e Vanderlei Lopes. Cohen, com suas paisagens geometrizadas e objetos que jogam com luz e sombra, e Lopes, com suas esculturas que sugerem a suspensão do tempo, oferecem ao público uma reflexão profunda sobre a passagem do tempo e a percepção da paisagem. Suas obras, que variam de esculturas a pinturas e relevos, articulam a relação entre luz, espaço e tempo de maneiras inovadoras e provocativas.

Uma estreia aguardada na ArPa é a Luis Maluf Galeria de Arte, que participa com trabalhos de Aline Moreno e Edu Silva. Sob a curadoria de Agnaldo Farias, a galeria apresenta uma sinergia expressiva entre os dois artistas. Edu Silva explora tensões socioculturais em suas pinturas, utilizando materiais contrastantes para suscitar reflexões sobre questões históricas e sociais. Aline Moreno, por sua vez, investiga a natureza física e geológica da paisagem através de esculturas que oferecem uma perspectiva íntima e detalhada. Ambos os artistas desafiam os limites físicos e conceituais de seus materiais, proporcionando uma experiência visual rica e impactante.

Uma das iniciativas mais significativas da ArPa é o Projeto Mandacaru, que visa mapear, premiar e difundir a produção artística de minorias. Pelo segundo ano consecutivo, a feira apresenta o Selo Mandacaru – ArPa, uma premiação destinada a artistas com até 15 anos de carreira representados pelas galerias participantes. A curadora Vania Leal selecionará uma obra de até R$30.000,00 para ser adquirida e incorporada ao acervo do projeto, destacando a importância de promover a diversidade e a inclusão no mundo da arte.

A ArPa Feira de Arte 2024 acontece em paralelo à MADE – Mercado. Arte. Design, uma feira internacional de design colecionável que complementa a oferta cultural da ArPa. Organizada pela WEB Design, a MADE é idealizada por Waldick Jatobá, com curadoria de Bruno Simões e direção geral de Elcio Gozzo. A simultaneidade dos eventos cria uma sinergia única, ampliando as possibilidades de diálogo entre arte e design.

Serviço

26 de junho, quarta-feira, 13h-21h: pré-abertura para convidados

27 a 29 de junho, quinta-feira a sábado, 13h-21h: público em geral

30 de junho, domingo, 11h-19h: público em geral

Ingressos: R$70,00 (inteira) R$35,00 (meia)

Ingressos

Deixe um comentário

Posts Recentes