Search
Close this search box.

História de amizade marcada pela violência guia “Gangues de Lagos”, primeira produção africana do Prime Video

Filme nigeriano mostra potência cinematográfica do país em história sobre a cultura e os perigos de região tradicional de Lagos

Por Gabriela Mendonça

Quem não está familiarizado com o termo “Nollywood”, é melhor se inteirar, pois se depender da produção cinematográfica nigeriana, muitos filmes saídos do país africano vão rodar o mundo, assim como “Gangues de Lagos”. 

Ao contrário de Hollywood, no entanto, a indústria cinematográfica da Nigéria tem muito mais interesse em mostrar o país, sua cultura e seus povos, em narrativas que destacam as singularidades de cada região, como o bairro de Isale Eko, em Lagos, uma das áreas mais antigas da cidade, que serve de cenário para o filme, a primeira produção africana do Prime Video, que estreou na plataforma em abril. 

Reprodução/Prime Video

Na ilha de Isale Eko, cercada por lagos, predomina a cultura Iorubá, e se celebra o tradicional Festival Eyo, onde pessoas vestidas com máscaras saem pelas ruas em procissão. De acordo com a crença, é na celebração em que os guardiões da estrada dos homens acompanham as almas dos antigos reis de Lagos para o além e recebem um novo. 

E é durante essa celebração que “Gangues de Lagos” começa, e vemos um rei ser levado, não pela celebração, e sim pela disputa entre as gangues locais. A diretora Jade Osiberu trabalha ao lado do diretor de fotografia Muyiwa Oyedele para criar cenas que transbordam na tela, com as cores e movimentos dos figurinos do Eyo, e também com a violência das ruas. 

O filme conta a história de Obalola Akande (Tobi Bakare), que era apenas um bebê quando seu pai foi morto por rivais. Crescendo nas ruas ao lado dos melhores amigos Gift (Adesua Etomi Wellington) e Ify (Chike Osebuka) ele vê no crime a única forma possível de sobreviver. O fervor religioso de sua mãe o afasta da família e o aproxima de Nino (Tayo Faniran), o Eleniyan, rei das ruas locais. 

Reprodução/Instagram @jadeosiberu

Ele acolhe Oba como um filho e tenta convencer o menino a seguir por outro caminho, que não o do crime, mas a lei das gangues é que nada dura para sempre, e todo rei pode cair. Nino é morto, e Oba cresce se tornando o braço direito do Eleniyan seguinte, Kazeem (Olarotimi Fakunle). 

Crime e política andam lado a lado em Lagos, e o caminho para a aposentadoria, se é que essa oportunidade vai chegar para alguém, é uma carreira no governo. Mas apesar de ter a corrupção como pano de fundo, é a trajetória hora esperançosa, hora destinada à tragédia dos três amigos que guia o filme. 

Oba, assim como Nino, tinha planos para o futuro. Quando Kazeem fosse finalmente eleito, ele se mudaria para São Francisco, enquanto Ify seguiria na carreira de músico com Gift como sua empresária. Mas a realidade das disputas por território, em meio a preparação para uma eleição, tornam os sonhos impossíveis. 

“Gangues de Lagos” se destaca pelas performances, com destaque para Bakare e Etomi Wellington, que podem ir da gentileza ao ódio voraz, de acordo com o que a história pede. É o mundo que eles vivem: há o desejo de fazer o certo, e há a realidade que exige violência. Ify é a maior representação desse conflito, e a irmandade entre os três os guia como uma procissão. 

Reprodução/Instagram @jadeosiberu

A produção tem alguns aspectos técnicos hollywoodianos, que servem para atrair o público internacional pretendido pela Amazon, que firmou contrato com Jade Osiberu para mais duas produções. 

Mas o núcleo do filme, sua raiz, a base de onde surgem esses personagens tão característicos de Isale Eko, é o roteiro de Jade e Kay I. Jegede, que transforma um retrato local em uma narrativa universal. 

Deixe um comentário

Posts Recentes