Search
Close this search box.

Outrora mina de ouro, Marvel acende luz amarela na Disney

Redação Culturize-se

No passado não tão distante, os lançamentos da Marvel Studios eram garantia de sucesso nas bilheteiras, estabelecendo recordes e consolidando o Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) como um modelo a ser seguido. No entanto, a recente estreia de “As Marvels” levantou questões sobre a invencibilidade do MCU. O filme, dirigido por Nia DaCosta, sucede o sucesso bilionário de “Capitã Marvel” (2019), mas teve a menor arrecadação de bilheteria de estreia do MCU até o momento, potencializando uma espiral de queda já verificada nos últimos lançamentos.

Cena de As Marvels
Foto: Divulgação

Apesar de alguns apressarem em declarar o fim do reinado da Marvel, é prematuro soar o sino da morte. Projetos recentes como “Guardiões da Galáxia Vol. 3”, “Pantera Negra: Wakanda Para Sempre” e “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” ostentaram desempenhos comerciais, se não entusiasmantes, razoavelmente sólidos. No entanto, a verdade inegável é que o nome da Marvel Studios por si só não é mais suficiente para atrair audiências. A Marvel deve oferecer conteúdo fresco e envolvente que vá além da narrativa padrão de super-heróis, transcendendo a tela pequena e proporcionando uma experiência digna do cinema.

Um problema evidente é a saturação de projetos da Marvel nos últimos anos. A estratégia da Disney de inundar o mercado com conteúdo da Marvel para assinaturas do Disney+ pode ter levado à exaustão do público. A era pós-“Vingadores: Ultimato” introduziu uma infinidade de novos personagens com histórias desconexas, tornando desafiador para o público se conectar com eles. A ausência de um novo filme dos Vingadores, um pilar do MCU, é percebida como uma oportunidade perdida para unificar personagens e manter o envolvimento do público.

A decisão da Marvel Studios de priorizar o conteúdo do Disney+ em detrimento de filmes potencialmente bilionários é outro fator que impacta a posição atual. Projetos como “Invasão Secreta” poderiam ter sido experiências cinematográficas semelhantes a “Capitão América: Guerra Civil”, mas foram relegados ao streaming, diluindo seu impacto. A falha em capitalizar o impulso gerado pelo sucesso de Capitã Marvel e optar por “The Marvels” em vez de uma sequência direta levanta questionamentos sobre a tomada de decisões estratégicas.

No meio desses desafios, há otimismo de que as greves dos roteiristas (WGA) e dos atores (SAG-AFTRA), que forçaram o adiamento de vários projetos, podem ser uma bênção disfarçada. A pausa temporária pode oferecer à Marvel Studios a oportunidade de reavaliar seus lançamentos cinematográficos, garantindo uma abordagem mais ponderada e orientada pela qualidade. O cronograma de lançamento revisado, incluindo o adiamento do novo filme dos Vingadores, indica um possível movimento em direção a uma produção mais cuidadosa.

Cena de “Loki”, série mais bem sucedida da Marvel no Disney+ | Foto: Divulgação

Embora a fadiga de super-heróis tenha sido proposta como um fator elementar, sucessos recentes como “Guardiões Vol. 3” e “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso” desafiam essa narrativa. O desempenho aquém do esperado de “As Marvels” pode ser um alerta para todo o gênero de super-heróis, enfatizando a importância de uma concepção, execução e marketing cuidadosos para oferecer experiências cinematográficas memoráveis.

Ajuste de foco

Após retornos decepcionantes nas bilheteiras, o império cinematográfico geral da Disney está sendo examinado. Bob Iger, CEO da gigante do entretenimento, reconhece os desafios impostos pela pandemia e pela busca por quantidade em detrimento da qualidade, sinalizando uma reavaliação da abordagem do estúdio. Fracassos recentes como “Indiana Jones e o Chamado do Destino” e “A Mansão Mal-Assombrada” destacam a necessidade de uma recalibração na estratégia cinematográfica da Disney.

Leia também: A24 planeja futuro com mais produções comerciais

Enquanto “As Marvels” e a produção cinematográfica geral da Disney passam por escrutínio, a indústria aguarda os próximos passos desses gigantes do entretenimento. O foco na qualidade em vez de quantidade parece ser uma mudança promissora, e a próxima lista de lançamentos, incluindo conteúdo original como “Wish”, será um teste para a capacidade da Disney de recuperar sua proeminência nas bilheteiras. Para 2024, apenas um filme da Marvel – o terceiro Deadpool – está programado para os cinemas. A narrativa do império cinematográfico da Disney pode estar enfrentando um contratempo temporário, mas com ajustes estratégicos e um compromisso renovado com a narrativa, ela pode recuperar sua posição dominante na paisagem cinematográfica global.

Deixe um comentário

Posts Recentes