Search
Close this search box.

Companhia de teatro apresenta distopia ambientada em São Paulo

“A Festa de Ridley” é uma adaptação livre de “Mercury Fur”, obra do inglês Philip Ridley e é produzida pela companhia de teatro independente A Última Cia. Curta temporada se inicia em agosto

Redação Culturize-se

No dia 4 de agosto estreia o espetáculo “A Festa de Ridley”, uma distopia ambientada em São Paulo, adaptada a partir da obra “Mercury Fur”, escrita pelo inglês Philip Ridley. A versão brasileira é produzida pela companhia de teatro independente A Última Cia e dirigida por Mateus Bruza. Serão realizadas 15 sessões às sextas, sábados e domingos no teatro Pequeno Ato, localizado no centro da capital paulista.

A peça narra a história de Lucas e Daniel, irmãos sobreviventes de uma metrópole destruída pela violência e pelo imperialismo. Neste futuro distópico, uma suposta tempestade de areia traz ao cotidiano borboletas alucinógenas que corroem a memória de quem as consome. O roteiro original faz parte do movimento teatral “In-Yer-Face”, que surgiu no Reino Unido nos anos 1990 e busca sensibilizar a plateia através do choque.

Escrita em 2005, durante o período em que o mundo testemunhava a invasão dos Estados Unidos ao Iraque e lidava com o trauma dos atentados de 11 de setembro de 2001 contra as Torres Gêmeas, “Mercury Fur” apresenta uma história com violência presente, embora mais sutil do que gráfica, segundo o diretor. Ele ressalta que, apesar de socos e tiros no palco, o restante é apenas sugerido, permitindo que a imaginação do espectador preencha as lacunas.

A Festa de Ridley
Cena da peça | Foto: Mateus Bruza

Mateus Bruza dirige o elenco composto por oito atores profissionais, em um cenário caótico de um apartamento abandonado no centro de São Paulo, onde uma festa deve ocorrer para entreter um convidado importante. Os personagens foram nomeados de acordo com os próprios atores, a fim de estabelecer uma conexão mais profunda com a história.

“A Festa de Ridley” é um drama familiar visceral que busca provocar uma resposta no público. O diretor afirma que o objetivo é alcançar pessoas que normalmente não frequentam o teatro. Essa é a segunda peça dirigida pelo jovem de 28 anos, que também realizou a tradução do roteiro e a adaptou com uma linguagem cinematográfica. Ele espera que o público tenha a sensação de estar assistindo a um filme ou uma série.

Bruza reconhece que é desafiador competir com as plataformas de streaming, pois muitas pessoas preferem ficar em casa para assistir a filmes, e que a competição é ainda mais desfavorável para o teatro. No entanto, ele espera que, ao assistir à peça, o público se sinta próximo do que está acostumado a consumir, mas que também provoque reflexão. O diretor tem formação em cinema pela Academia Internacional de Cinema (AIC) de São Paulo e conta que diretores como Gaspar Noé, Lars von Trier, Pascal Laugier e outros nomes do terror e da ficção especulativa são suas principais inspirações.

Toda a montagem foi financiada pelo próprio diretor e pelos atores da companhia de teatro. Em abril, “A Festa de Ridley” teve uma breve temporada na Oficina Cultura Oswald de Andrade com cinco sessões lotadas e uma sessão extra. O diretor aposta no poder do roteiro para manter a atenção e o interesse do público durante a peça.

SERVIÇO

“A Festa de Ridley”

Temporada: 04/08 a 03/09, sextas e sábados às 20h, domingos às 18h

Classificação: 18 anos

Duração: 100 minutos

Endereço: Rua Dr. Teodoro Baima, 78 – Consolação, São Paulo/SP

Capacidade: 50 lugares

Ingressos: R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia-entrada), R$ 100 (ingresso-apoio) via Sympla ou 1h antes do espetáculo na bilheteria

Deixe um comentário

Posts Recentes