A onda estranha de Yorgos Lanthimos

Imagens: Divulgação

Muitas vezes a adversidade se torna um terreno fértil para a arte, que encontra formas de provocar e se reinventar. Foi isso que aconteceu com o cinema grego a partir de 2010, quando o país estava imerso em uma grande recessão.

Filme: Kinetta

Com poucos recursos, os cineastas buscaram novas formas de tratar assuntos polêmicos, representar a situação atual do país e reerguer a sétima arte. Assim surgiu o Strange Greek Wave, ou a “estranha onda grega”. Um dos principais nomes desse movimento é Yorgos Lanthimos.

Filme: Dente Canino

Nascido em Atenas, ele começou a carreira no audiovisual dirigindo comerciais, clipes e curta-metragens.

Filme: Kinetta

O diretor se destacou nessa onda no início dos anos 2005, primeiro com “Kinetta”, depois com “Dente Canino”.

O 1º conta a história de um grupo de pessoas vivendo em um hotel grego durante o período de baixa temporada. Já o 2º retrata um casal que cria os filhos isolados da sociedade, inventando regras improváveis, mudando o significado de palavras e privando-os de ver o mundo como é de verdade.

Filme: Dente Canino

Em comum, as histórias e a filmografia de Lanthimos apresentam um aspecto de solidão e isolamento, um olhar pessimista em relação ao futuro, reflexos do período que a Grécia vivia. Mas esses temas foram envelopados em estranheza, cenas cruas, personagens agindo de formas inesperadas e momentos de choque e de humor.

Filme: Alpes

Com seus primeiros trabalhos gregos, chamou atenção internacionalmente e ganhou prêmios nos festivais de Cannes e Veneza, além de ser indicado a um Oscar. Depois de um terceiro filme em grego, “Alpes”, ele fez a transição para o inglês e, mesmo em uma nova língua, manteve o caos organizado que define sua filmografia.

Filme: Alpes

“O Lagosta” e “O Sacrifício do Cervo Sagrado” tratam desse isolamento e deslocamento da sociedade, apresentando protagonistas incapazes de criar conexões emocionais.

Filme: O Lagosta

O que distingue Lanthimos e o coloca como um dos cineastas mais interessantes de sua geração é justamente a forma estranha como as histórias são apresentadas.

Filme: O Lagosta

Com uma trilha sonora marcante, ele cria cenas desconfortáveis, ainda que muitas vezes cômicas, e insere cenários violentos de maneira imprevisível. Já a ambientação fria e os planos abertos ampliam a sensação de solidão.

Filme: O Sacrifício do Cervo Sagrado

Yorgos propõe críticas sociais sem ser óbvio, muitas vezes mantendo um olhar de observador para que o próprio espectador analise e crie sua percepção dos fatos.

Filme: O Sacrifício do Cervo Sagrado

Ele também fala sobre as estruturas de poder e ridiculariza figuras que representam o topo da pirâmide social, como em “A Favorita", sobre a rainha inglesa Ana.

Filme: A Favorita

Seu maior sucesso comercial, o filme recebeu 10 indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme e Direção.

Filme: A Favorita

Sua próxima incursão no bizarro é “Pobres Criaturas”, releitura de Frankenstein. Previsto para estrear em setembro, é estrelado por Emma Stone e Mark Ruffalo.

Experienciando uma nova fase da carreira, ele não sofre mais com um baixo orçamento e, pelo trailer, parece fazer uso dos recursos atuais para criar um mundo ainda mais bizarro. Afinal, a estranheza é seu tema principal, e nada é mais estranho do que nascer e descobrir como viver.

Filme: Pobres Criaturas