Memória

"O Grande Gatsby": 10 anos do cult injustiçado de Baz Luhrmann

Redação Culturize-se | Fotos: Divulgação

O longa, adaptado da obra de F. Scott Fitzgerald, retrata a alta sociedade dos anos 1920, mostrando a obsessão por riqueza e extravagância. Baz Luhrmann utiliza uma estética exuberante e vibrante, repleta de cores vivas e cenários grandiosos para adornar narrativa e forma.

Um dos principais méritos do filme reside na inteligência com que estipula sua crítica social, sendo ele mesmo opulento. "O Grande Gatsby" aborda a superficialidade da alta sociedade e ganha pontos pela narrativa não linear adotada, adicionando camadas à história e aos personagens

"Interpretar Gatsby foi um desafio maravilhoso. Eu queria capturar a dualidade do personagem, seu brilho e sua vulnerabilidade", disse Leonardo DiCaprio à época. Naquele ano, o ator seria indicado ao Oscar, mas por outro filme, o também espetacular "O Lobo de Wall Street". Ainda hoje, 2013 permanece como um dos mais sólidos da carreira do astro

"Queria trazer para o filme toda a energia, o glamour e a exuberância dos anos 1920, ao mesmo tempo em que explorava temas atemporais como amor, ambição e ilusão.", observa Baz Lhurmann que ainda destaca que o "objetivo era capturar a essência do livro de F. Scott Fitzgerald e trazer sua mensagem para um novo público, mantendo sua beleza e sua crítica social intactas."

O filme retrata a ilusão da busca pelo "sonho americano" e como a esperança pode ser tanto uma força motivadora quanto destrutiva. A melancolia é uma sombra presente no longa, mesmo em escolhas aparentemente banais como a da música original de Lana Del Rey, "Young & Beautiful".

A música, por sinal,  desempenha um papel fundamental no filme, combinando canções modernas com a atmosfera da década de 1920, criando uma experiência auditiva singular.

Uma das cenas mais marcantes do filme é a festa realizada na mansão de Gatsby, retratando o excesso e a ostentação da sociedade da época. "'O Grande Gatsby' é um conto de ilusões, onde a realidade e a fantasia se misturam. Eu queria capturar essa dualidade visualmente, criando um mundo que fosse ao mesmo tempo deslumbrante e decadente", finaliza Baz Luhrmann