Coleção particular explora limites entre sagrado e estético

Coleção particular explora limites entre sagrado e estético

Imagens:  Everton Ballardin

A coleção de Vera e Miguel Chaia composta por 46 obras vai ficar em cartaz na Arte 132 Galeria, em São Paulo, entre 14 de janeiro e 11 de março. A entrada é gratuita e a curadoria é assinada por Laura Rago e Gustavo Herz.

"Tridimensional" mescla de forma não-linear os temas centrais. Supõe-se que cada artista ou obra se aproxima ora mais ora menos do sagrado ou do estético; em algumas obras, o sagrado pode ser mais explícito e, em outras, menos

O sagrado aqui é entendido como venerável, ritualístico, mítico e representado e representado por sangue, vinho, água, fogo e alimento; já o estético é compreendido como uma linguagem profana que opera revoluções nas formas de expressão rompendo vínculos externos à própria arte.

Para o artista plástico Donald Judd, a tridimensionalidade "simula e aumenta o objeto real, para equipará-lo a uma forma emocional”. Para ele, esses novos trabalhos tridimensionais não constituem um movimento, escola ou estilo, mas, sim, um avanço da linguagem a partir das especificidades e potencialidades dos suportes e materiais.

A reflexão que norteou o processo curatorial é: Será possível perceber na arte contemporânea vestígios do sagrado? O que pode haver em comum entre a arte e o sagrado? Entre os destaques da exposição, aparecem Artur Lescher, Carmela Gross, José Resende, José Leonilson, Leda Catunda, Marcelo Cidade e Tunga.